domingo, junho 01, 2008

Vergonha

Já passei e repasso quase todos os dias pelas mais variadas fórmulas explicativas do mundo, da psicanálise à astrologia, e por quase um segundo acredito totalmente em cada uma delas. Saber dessas fórmulas, porém, nunca me serviu para tomar sequer uma decisão que me trouxesse alegria. Quando muito me fazem sentir ridículo, instantes depois de agir segundo este ou aquele preceito.

Admiro e admito que até invejo pessoas que, me parece, têm claros os princípios que as regem. Parecem ter uma vida saudável. Talvez seja bobagem e ninguém mesmo tenha essa clareza, todos haverão de me entender então: Não consigo ter certeza de nada, tampouco duvidar completamente de coisa alguma. Não faço idéia alguma de como devo viver, não faço idéia do que me ajuda, do que me prejudica. Conheço bem dor e prazer, reconheço que a minha vida é muito boa, e morro de vergonha de ser triste.

4 comentários:

Che disse...

Vinicius De Moraes mandou lembranças...

guigonoia disse...

Opa, costumo passar por aqui às vezes...admiro bastante seus textos e me identifico com muitos deles.
Abraço

Juliana disse...

...ou não seriam também preceitos socialmente convencionados?

tarciso disse...

o aqui e agora não me parece tão complicado explicar embora possam envolver situações complexas também, - entretanto, - muito mais complicado é o absoluto do antes e o depois... aí o sistema de princípios que herdei, rejeitei, abandonei e resgatei me ajudam... alienação, fuga, escapismo?! É o que alguns pensam... que pensem, pois...