quinta-feira, junho 29, 2006

Porém, eu não sei.

Não entendo. Nunca mais eu tive um sonho pra me explicar e então me vêm interrogações gigantes, de ferro, do céu, chovendo na minha cabeça, cada ponto um quilo de dúvidas. Quando caem viram de ponta cabeça e se transformam em ganchos e nele se penduram samambaias, correntes e sandálias havaianas.

Ganchos de pendurar rede. Mas não sabem que estão por demais próximos um do outro. De ferro, um quilo.

Na cidade, aqui, fica cinza e ensaia, mas na verdade não chove.

1 comentário:

Fabrício Rafael disse...

um tanto completo isto.