sexta-feira, fevereiro 27, 2009

Das dificuldades da existência

Algumas coisas agora me confundem. Acho que confuso é um bom estado para criar, quero escrever. Me sinto um pouco em dívida com a palavra, tão amigo que sempre fui dela.

A felicidade que encontrei no amor me mudou um pouco, às vezes me sinto ainda desengonçado nessa vida, lembro da tristeza em que eu me reconfortava, mais soberano, mais conhecedor. Sozinho.

Sonho, imagino algumas coisas e me entristeço, capaz de ficar triste uma tarde toda por causa de uma idéia ruim, por alguma coisa que nunca aconteceu, está longe de acontecer. Gosto de falar por aí que não vejo limites claros entre o que acontece na mente e no mundo, é poético de dizer, além de tudo é verdade.

Às vezes acho tudo muito hostil, rude e feio. Não gosto do mundo, não gosto da cultura urbana, das roupas que às pessoas usam. Não gosto que as pessoas pensem tanto em pesos e medidas, quaisquer que sejam. Não gosto que eu faça igual, tantas vezes, e que eu seja hostil, rude e feio, pelo menos uma vez por dia, quase todos os dias...

Pra onde eu vou?

6 comentários:

Juliana disse...

vá se permitir ser feliz.

Isa disse...

Olá! Olha só, passeando por uns blogs encontrei o seu. Adorei! De parabéns!

beijos.

barra/.ponto disse...

você percebe o chão quando tropeça.
embora ele esteja sempre ali.
se todo caminho está traçado,
o tropeço é sua verdadeira decisão.

tarciso disse...

viver é um experimento perigoso, às vezes tedioso e por vezes gostoso de experimentar... mas cada tem seu "taste" e a pimenta que agrada a uns pode a outros desagradar... se vive a tatear - seja na escuridão da noite ou ao meio dia, em plena luz solar...

Nareda Potin disse...

Ai, respirei fundo.

É verdade... parece que estar bem e feliz fecha as portas para a escrita. Parece que a gente só expele quando há desequelíbrio.

Sonhar ou fantasiar? A mente vai criando e a gente vai vivendo aquela criação, mesmo parado, olhando para o teto do quarto. O corpo sente tudo, como se estivesse acontecendo. Cada pedacinho responde a tal vivência. Talvez ele demore para entender que foi só fantasia e então o dia continua a estar na sintonia daquela vibração, pensamento.

Para onde vai? Não sei. Mas passe aqui. Saudades da sua pessoa por cá.

Lari Balla disse...

Você vai pra casa, tomar café da manhã, ser feliz e ser poeta.Ser triste as vezes também. Te amo.